02 novembro 2005

Luís de Freitas Branco: nos 50 anos da sua morte

Tem estado a decorrer em Lisboa, Cascais e Porto o Festival Luís de Freitas Branco que assinala o cinquentenário da morte deste compositor. Este evento é organizado a título gracioso por um outro compositor português, Alexandre Delgado e termina no próximo dia 30 de Novembro, com dois concertos extraordinários em Maio e Julho de 2006.

Estão a ouvir uma das Suites Alentejanas de L.F. Branco, peças que, segundo o seu filho, o crítico e musicólogo João de Freitas Branco, fazem parte da última "linha de força" existente na obra do seu pai. Voltaremos mais abaixo a esta classificação.

Luís de Freitas Branco (1890-1955)

Luís de Freitas Branco é um vulto maior no panorama musical português, justamente considerado o introdutor do modernismo no nosso país. O musicólogo Paulo Ferreira de Castro, na sua obra Sínteses da cultura portuguesa: História da música (escrita em conjunto com R.V.Nery) diz o seguinte sobre este compositor:
"Coube a Luís de Freitas Branco, simultaneamente compositor, pedagogo e musicógrafo e, em conjunto com Viana da Mota, uma das figuras mais importantes do panorama musical português na viragem do século, o papel de aproximar a música portuguesa das correntes estéticas europeias mais modernas da época."
Analisar pormenorizadamente a vida e obra do compositor excede o âmbito deste post. Podemos, no entanto, mencionar alguns dos aspectos mais relevantes.
L.F.Branco, para além de compositor, foi também professor, conferencista, crítico, investigador e autor de livros e ensaios, sendo referido pelo seu filho como tendo uma "personalidade brilhante, qualquer conversa era uma inesquecivel lição". A sua acção foi também muito importante no incentivo e ensino de outros músicos portugueses, tais como: António Fragoso, António José Fernandes, Fernando Lopes-Graça e Joly Braga-Santos, entre outros.
Enquanto compositor, foi extremamente inovador a nível estilístico, tanto pelo uso pioneiro da atonalidade em Portugal como também na utilização de novos intervalos melódicos e harmónicos e na politonalidade (várias tonalidades simultâneas), de que são exemplo as Variações Sinfónicas Vathek.
Como pedagogo, destaca-se a reforma que encetou no ensino da música no Conservatório Nacional de Lisboa.

Voltamos agora à divisão da sua obra, proposta pelo seu filho João de Freitas Branco, em 3 linhas de força:

  • a primeira partindo do poema sinfónico Depois de uma leitura de Antero e abrangendo quase todas as obras da primeira fase (ciclos de canções, Paraísos Artificiais, Vathek, Quarteto de cordas e Prelúdios para Piano);
  • a segunda compreendendo as obras de designação clássica (nomeadamente as Sonatas para violoncelo e piano e para violino e piano);
  • e a terceira a linha nacionalista, que deve por sua vez ser subdividida em duas. A primeira é influenciada, como já dissemos, pelo Integralismo Lusitano (poema sinfónico Viritato, de 1916), enquanto que a segunda reflecte o espírito da política cultural preconizada na reforma do Conservatório (Suites Alentejanas).*

*(Texto recolhido no livro História da Música Portuguesa de M.C.Brito e L.Cymbron)

Esperamos que muitos de vós tenham a oportunidade de assistir a estes concertos que percorrem a obra completa do compositor.

Links:
Festival Luís de Freitas Branco - Calendário
Cronologia da vida e obra de Luís de Freitas Branco (Projecto Nónio do Ministério da Educação)

13 Comments:

Blogger wind said...

Mais um bom post:) beijos

3/11/05 00:06  
Blogger Eterna Descontente said...

Parafraseando a Wind: mais um excelente post informativo!

3/11/05 15:53  
Blogger andorinha said...

Faço minhas as palavras dos oradores precedentes.:)))
Beijinho.

4/11/05 00:00  
Anonymous Mi said...

É mesmo bom ver dar importância aos compositores portugueses! É tão raro...
Esta página tem bastante informação: Centro de Informação da Música Portuguesa

6/11/05 03:02  
Blogger viktor said...

Olá Wind, Eterna descontente, Andorinha e Mi,

Muito obrigado pelas vossas palavras. De facto, é de saudar o vosso entusiasmo pela arte portuguesa, sempre tão esquecida.
O link proposto pela Mi lista um conjunto de compositores portugueses, a maioria deles em actividade.

Um abraço a todos.

6/11/05 21:59  
Blogger Poesia Portuguesa said...

Como fico feliz sempre que se dá importância à nossa cultura Portuguesa! Porque estamos entre os melhores e, por vezes nem damos conta disso!

Grata pela partilha

Um abraço carinhoso ;)

7/11/05 21:47  
Blogger ॐJohn said...

Este comentário, peço desculpa, mas não tem a ver com o post actual. Cheguei até aqui por uma cadeia de buscas enquanto procurava informação sobre António Fragoso. Sou descendente dele e tenho um enorme gosto pelas suas composições, sendo eu estudante e apaixonada por música também. E foi com um enorme prazer e alguma comoção que encontrei o site. Obrigada por divulgarem o que de bom se faz em Portugal e por me terem feito encontrar um "presente" tão delicioso.

8/11/05 19:49  
Blogger Sextosentido said...

descobri hoje o vosso site, e adorei a musica :D

9/11/05 01:10  
Blogger Mitsou said...

Também eu saúdo, grata, esta homenagem a esse grande senhor.

Beijinhos doces para os dois :)

9/11/05 21:26  
Blogger viktor said...

Poesia portuguesa, a_john, sexto sentido e Mitsou,

Muito obrigado pelas vossas visitas. Luís de Freitas Branco merece!

9/11/05 23:33  
Blogger Pamina said...

Olá a todos,

Para quem tenha oportunidade, o próximo concerto em Lisboa é no dia 16 de Novembro e no Porto no dia 27.

Um beijinho para vocês.

9/11/05 23:35  
Blogger Mitsou said...

Vim só deixar um beijinho doce de bom fim-de-semana :)*

11/11/05 13:50  
Blogger Menina_marota said...

Gostei de aqui ver retratado Luís de Freitas Branco.

Grata pela partilha.

Um abraço terno e bom fim de semana :)

13/11/05 02:50  

Enviar um comentário

<< Home